• Ícone representando um e-mailcontato@apd.adv.br
  • Ícone representando um telefone+55 27 3019.3993
  • Ícone representando um telefone 2+55 27 98124.3096
  • Ícone representativo do Twitter
  • Ícone representativo do Facebook
  • Ícone representativo do Google Plus
banner-blog

Nosso Blog

CVM Proíbe Fundos de Investimento de Adquirir Criptomoedas

A Comissão de Valores Imobiliários (CVM), órgão regulador do Mercado de Capitais brasileiro, publicou neste mês de Janeiro um ofício público em que proíbe Fundos de Investimento de realizarem investimentos diretos em Criptomoedas no país.

A Superintendência do órgão afirmou que as criptomoedas “não podem ser qualificadas como ativos financeiros”, tendo em vista que ainda é amplamente debatida a natureza jurídica e econômica das mesmas.

O ofício, apesar da proibição dos investimentos diretos, manteve a possibilidade do investimento indireto por parte dos Fundos, através de operações no exterior.

A CVM utilizou o Projeto de Lei 2.303/2015 como um dos motivadores da decisão, tendo em vista que sua aprovação pode vir a restringir esse tipo de investimento no país.

Confira a íntegra do ofício emitido pela CVM:

“Fazemos referência aos comunicados realizados pela CVM em 11/10/2017 e 16/11/2017, relacionados às operações de Initial Coin Offerings (“ICO”), e a consultas, efetuadas por diversos participantes de mercado, acerca de possibilidade de investimento, pelos fundos de investimento regulados pela Instrução CVM nº 555/14, nas atualmente denominadas “criptomoedas”.

 

Como sabido, tanto no Brasil quanto em outras jurisdições ainda tem se discutido a natureza jurídica e econômica dessas modalidades de investimento, sem que se tenha, em especial no mercado e regulação domésticos, se chegado a uma conclusão sobre tal conceituação.

 

Assim e baseado em dita indefinição, a interpretação desta área técnica é a de que as criptomoedas não podem ser qualificadas como ativos financeiros, para os efeitos do disposto no artigo 2º, V, da Instrução CVM nº 555/14, e por essa razão, sua aquisição direta pelos fundos de investimento ali regulados não é permitida.

 

Outras consultas também têm chegado à CVM com a indagação quanto à possibilidade de que sejam constituídos fundos de investimento no Brasil com o propósito específico de investir em outros veículos, constituídos em jurisdições onde eles sejam admitidos e regulamentados, e que por sua vez tenham por estratégia o investimento em criptomoedas. Ou, ainda, em derivativos admitidos à negociação em ambientes regulamentados de outras jurisdições.

 

Entretanto, não custa repisar, mais uma vez, que as discussões existentes sobre o investimento em criptomoedas, seja diretamente pelos fundos ou de outras formas, ainda se encontram em patamar bastante incipiente, e convivem, inclusive, com Projeto de Lei em curso, de nº 2.303/2015, que pode vir a impedir, restringir ou mesmo criminalizar a negociação de tais modalidades de investimento.

 

Assim, no entendimento da área técnica é inegável que, em relação a tal investimento, há ainda muitos outros riscos associados a sua própria natureza (como riscos de ordem de segurança cibernética e particulares de custódia), ou mesmo ligados à legalidade futura de sua aquisição ou negociação.

 

Dessa forma, esta Superintendência informa que todas essas variáveis vêm sendo levadas em consideração na avaliação da possibilidade de constituição e estruturação do investimento indireto em criptomoedas, sem que se tenha chegado, ainda, a uma conclusão a respeito dessa possibilidade.

 

Por fim, diante dessas circunstâncias, julgamos conveniente que os administradores e gestores de fundos de investimento aguardem manifestação posterior e mais conclusiva desta superintendência sobre o tema para que estruturem o investimento indireto em criptomoedas conforme descrito, ou mesmo em outras formas alternativas que busquem essa natureza de exposição a risco”.

 

*Por Pedro Henrique da Costa Dias, sócio e especialista em Direito Empresarial